All posts by Luiz Eduardo Monteiro

Boleto sem registro encerrado em 2018 – Cronograma Febraban

O boleto sem registro terá sua operação encerrada por todos os bancos em 2018 fechando assim uma era de fraudes com boletos.

Trataremos o boleto sem registro como passado neste post para falar o que era, das fraudes, do cronograma e do boleto com registro!

O que era o boleto sem registro?

O boleto sem registro era o mais comum e utilizado meio de cobrança por milhares de empresas no Brasil. O seu grande aspecto era a facilidade de emissão e administração. Você emitia o boleto e pronto!

Logo, quando o boleto fosse pago o banco identificava o pagamento. Mas antes disso, ele não existia para o bancos, era um papel com uma instrução de pagamento a um destinatário com um valor específico entre instruções de multa e juros.

 

As fraudes com boleto sem registro

Essa mesma facilidade, era uma grande brecha para fraudes que avançaram com a evolução da tecnologia e passavam cada vez mais imperceptíveis ao cliente comum, que efetuava um pagamento acreditando direcionar o dinheiro ao destinatário original.

Fato é que foram inúmeras as formas de fraude como:

  • Alteração simples do código de barras de pagamento na hora da impressão do boleto
  • Alteração simples do código de barras de pagamento na hora da gerar o boleto na tela do navegador

Esses formatos de fraude fugiam ao controle dos bancos, pois eram executadas na ponta, no cliente final que obtia o boleto para pagamento e podia estar infectado com vírus e malware.

 

Cronograma de encerramento do boleto sem registro

25 /08/18 – Boletos de R$ 400,00 ou mais

01/09/18 – Boletos de R$200 ou mais

13/10/18 – Boletos de R$100 ou mais

27/10/18 – Boletos de R$0,01 ou mais

10/11/18 – Processo concluído, fim do boleto sem registro.

Fonte oficial Febraban

 

Boleto com Registro x Sem Registro

Como o próprio nome diz, o boleto com registro é registrado no sistema do banco. Com isso, o banco tem todas as informações sobre a cobrança e, para que você consiga fazer o cancelamento ou qualquer alteração no boleto, como data de vencimento, é preciso enviar um arquivo de remessa ao banco com todas as informações da transação. Contudo hoje já existem meios de pagamento online como PagHiper e GerenciaNet que cuidam de todo esse trâmite de informações e sua operação de boleto, parecerá a mesma de antes, quando era sem registro.

Outra diferença é com relação às tarifas cobradas. Na modalidade de cobrança sem registro, o banco geralmente cobra tarifa apenas quando o boleto é efetivamente pago por meio da rede bancária. Já para a cobrança com registro, o banco pode cobrar tarifas sobre as operações de registro, alteração ou cancelamento do boleto. Ou seja, você pode pagar mais de uma tarifa para o mesmo boleto.

A vantagem do boleto com registro bancário é que, em caso de não pagamento, ele pode ser protestado em cartório. Apesar de não ser considerado um título de crédito, é possível protestar o título de crédito indicado no boleto, geralmente uma duplicata mercantil ou de serviço. Quando não está associado a um desses títulos, não é possível protestar o boleto.

Boletos com e sem Registro na Plataforma de Ecommerce da Brasil na Web

Em 1/12/2018 desligaremos e removeremos oficialmente todos os módulos de boleto sem registro de nossa plataforma de ecommerce em todos os clientes, evitando assim qualquer confusão de uso dos mesmos.

Atualmente a Brasil na Web oferece, por padrão, várias modalidades de integração com empresas que utilizam boleto Com Registro em suas soluções, são elas:

  • PagHiper
  • GerenciaNet
  • Pagseguro
  • Mercado Pago

Módulos adicionais que podem ser contratados a parte:

E ai, qual solução você vai usar? Gostou das informações? Comente!

Qual o melhor? PagSeguro, PayU, Mercado Pago, MoIP, PayPal ou Cielo?

Principais meios de pagamento para Ecommerce – Loja virtual

Estamos em 2018 e muitas pessoas querem vender online, mas não avaliam bem qual método de pagamento que vai oferecer aos clientes em sua loja virtual.

Desde 2005 eu acompanho vários meios de pagamento que foram surgindo e até desaparecendo. O que mostra como é importante ter um parceiro de recebimentos sólido para fazer histórico e negociar taxas.

Você quer saber qual empresa de pagamento online usar em sua loja virtual?
Quais taxas são cobradas?
Quais as mais confiáveis ou menos problemáticas?

banner-criar-loja-30dias-gratis-330-330

Quadro comparativo dos principais meios de pagamento para ecommerce

[supsystic-tables id=1]

 

Tarifa: Taxa principal cobrado por transação (pagamento que você recebe).

L.Saldo: Prazo em dias para liberação do saldo (valores que você recebeu).

D.Saque: Prazo em dias entre a solicitação do saque (do saldo) até o dinheiro cair em sua conta bancária.

L.Saldo: Dias para liberação do saldo (valores que você recebeu).

Tx.Saque: Taxa para solicitar um saque (transferência para sua conta bancária)

Tx.Transação: Taxa fixa por transação (adicional a taxa principal), normalmente cobrado em centavos por algumas empresas.

Js.Parcala ao Cliente: Taxa de Juros cobrada nos parcelamentos com juros para o seu cliente final.

Tx.Antecipação: Taxa de juros variável ou fixa, cobrada para que você receba antecipadamente parcelas de uma venda.

Modo de Operação: Tipo de tela que o cliente digita o cartão de crédito, hoje, normalmente todos oferecem o modo em que o cliente não sai da sua loja virtual = Transparente.

Receber Parcelado s/Juros: Algumas empresas permitem que você receba parcelado, como o cliente pagou, sem forçar a antecipação e assim evitando juros desnecessários.

Mensalidade: Taxa para se ter acesso a conta de recebimentos para integrar em sua loja virtual, similar a uma tarifa de bancos para manutenção de conta bancária.

Índice RA: Nota da empresa no Reclame Aqui, alguma possuem índice RA 1000 de comprometimento de  resposta e satisfação dos clientes.

 

Importante:
As informações foram niveladas pela operação de Cartão de Crédito e podem variar sem aviso prévio por parte de cada empresa.

Os dados expostos foram coletados do site de cada empresa ou suas páginas de suporte, em alguns casos por telefone ou até por acesso direto a uma conta ativa.

Antes de contratá-las, certifique-se de cada taxa, prazo e procedimentos por sua conta. 

PagseguroPayU – MoipMercado PagoPaypalCielo – Pagar.meIuguGerenciaNet – eRede

 

Comentários extras sobre os meios de pagamento para ecommerce

PagSeguro: Fácil de iniciar, taxas para ecommerce não muito atraentes, anti fraude incluso. Tido com um dos meios de pagamento que menos aprova transações devido ao alto grau de rigidez na análise de anti fraude. É a opção mais comum para quem está iniciando! Negociam em certos volumes de vendas. Oferece opção de boleto e recorrência.

PayU: As tarifas são aplicáveis aos clientes locais (empresas com operações no Brasil). Para consultar tarifas de clientes internacionais acesse PayU Global

MoIP: Tem a possibilidade de receber pagamentos em até 2 dias. Burocracia inicial é um problema para iniciantes e mais apressados.

Mercado Pago: Comum para quem já vende pelo Mercado Livre. Segundo colaboradores de lá, se você usar Mercado Livre em sua loja virtual, seus anúncios no ML ganham um pouco mais de visibilidade / melhor posicionamento.

PayPal: Fácil de começar, com a grande vantagem da disponibilidade rápida do dinheiro, taxas não muito competitivas, mas soube que em certos volumes ele aceitam negociar. Oferece opção de recorrência no cartão de crédito do cliente com muita facilidade.

Cielo: Ótima taxa de entrada, comum entre lojas virtuais mais maduras.

GerenciaNet: Ótimo painel para visualizar seus recebíveis, taxa inicial maior que concorrentes, oferece uma gama de serviços adicionais como recorrência e boleto.

Iugu: Taxa razoável. Ótimo sistema de cobrança e inteligência de antecipação, porém cobra mensalidade, algo incomum no mercado para ecommerce. Oferece serviços extras bem interessantes.

Pagar.me: Taxa razoável e interface de pagamento muito intuitiva para o cliente!

eRede: A menor taxa para contratos de ecommerce que já vi até hoje para nossos clientes na Brasil na Web, chegando a 1.8% no débito à vista. É um serviço do Itaú, logo, se você tem conta lá, negocie taxas com o seu gerente diretamente.

 

Nível de avaliações no Reclame Aqui:

Pagseguro

Cielo

Paypal

Iugu

GerenciaNet

Pagar.me

Mercado Pago

MOIP

PayU

eRede – Itaú

Planejando sua loja virtual para vender produtos na internet?

Checklist de Ecommerce – Guia para novos Lojistas

Com o Checklist de Ecommerce você terá um guia prático e orientado para evitar os erros básicos e começar com o pé direito nas vendas pela internet.

Faça download gratuito agora mesmo do checklist e comece a planejar a sua loja virtual para vencer a concorrência!

Download do Checklist

O conteúdo foi útil? Comente 🙂

Loja Virtual para atacado ou revendedores

Loja virtual para atacado está cada vez mais em alta

Com o crescimento do Ecommerce no Brasil, as empresas tem evoluído a gestão comercial, levando o processo de compras para a internet não só dos consumidores finais como também de suas redes de revendedores ou canais de vendas intermediários.

Grandes atacadistas no Brasil cresceram por meio deste processo controlado e informatizado e agora pequenas fábricas, produtores e cooperativas estão aderindo a plataformas de loja virtual para atacado que os permitem diferenciar preços do consumidor final.

Qual a vantagem de ter uma loja virtual para atacado

  • Diretamente isso implica em mais automação comercial onde o próprio revendedor tira o seu próprio pedido conforme o seu perfil de compras.
  • A equipe comercial da empresa pode investir mais tempo gerenciando o perfil de seus revendedores e estimulando-os a fazer mais negócios com a empresa, ao invés de apenas tirar pedidos passivamente.
  • E podemos citar também a facilidade da circulação da informação, pois os revendedores passam a contar com o catálogo online da empresa já com preços especiais só para revendedores, conforme seus níveis de revenda.
  • Concentração da gestão de pedidos de atacadistas, distribuidores, revendedores e consumidores finais em um único local.
  • Concentração da gestão do mix de produtos na internet em um único sistema.

Cuidados ao criar uma loja virtual para atacado

  • Certifique-se que o seu preço com desconto seja visto somente por seus revendedores devidamente cadastrados e aprovados por um processo mínimo de documentos, evitando assim que o seu preço com desconto fique aberto para a concorrência ou clientes finais.
  • Segmente bem sua comunicação de email marketing e ofertas de acordo com cada grupo de cliente (revendedor), evitando enviar preços para grupos errados.

 

Como criar uma loja virtual para atacado?

Nem todas as plataformas de loja virtual estão preparados para atender tanto consumidor final quanto revendedores. Mas a loja virtual da Brasil na Web possui esse recurso e lhe permite criar uma loja virtual para atacado com muita facilidade.

Primeiro, você precisar criar sua loja virtual pelo nosso site agora.

Depois, veja este post sobre como criar grupos de clientes e definir preços para revendedores

 

Vídeo – Criação de loja virtual Open Source Brasil na Web

Nem sempre temos a oportunidade de conversarmos com cada empreendedor para orientarmos sobre a criação da loja virtual, passar dicas e explicar um primeiro passo muito importante:

A escolha da plataforma de loja virtual

Existem muitas opções de serviços para criar loja virtual no mercado e a Brasil na Web vem reunindo cada vez mais o melhor pacote de benefícios para o seu ecommerce começar e crescer com viabilidade.

A Brasil na Web uniu a força do sistema de loja virtual OpenCart, que é Open Source, com a comodidade e economia de um serviço de aluguel de loja virtual.

A primeira grande diferença é que nós não fazemos aluguel de loja virtual, aqui a loja é do cliente a partir da primeira mensalidade, ou seja, você pode ter acesso aos arquivos completos de sua loja. Se um dia precisar dizer adeus, leva tudo e não perde o trabalho investido!

Nosso novo vídeo explica essas e outras grandes vantagens de se utilizar um ecommerce open source com a Brasil na Web com a narração de Sérgio Moreno.

Assista Agora

Brasil na Web Finalista no Prêmio ABCOMM – Inovação Digital 2016

Somos Finalista do Prêmio ABCOMM de Inovação Digital 2016!

E…ao nosso estilo mineirês – Que trem bão sô!

Temos dedicados os 5 últimos anos da empresa ao comércio eletrônico, elevando o projeto de loja virtual opencart Brasil na Web ao patamar de plataforma fácil, simples e para qualquer porte de negócio.

E quando recebemos a notícia do Presidente da ABCOMM, Maurício Salvador, que somos finalistas no Prêmio ABCOMM de Inovação Digital 2016 – Categoria Destaque em Tecnologia Web não podiamos ficar mais felizes e empolgados \o/

Sem dúvida, um reconhecimento de que nossos esforços estão contribuindo para o cenário de comércio eletrônico no Brasil e sendo observados pelos grandes profissionais deste mercado a quem somos muito gratos.

Agora precisamos do seu voto para conquistar este prêmio!

Vote na Brasil na Web no formulário de votação no site da ABCOMM! É rápido e você contribuirá muito para nossa motivação continuar nas alturas! Muito obrigado!

 

Vote agora na Brasil na Web

 

ICMS – Como as regras de partilha do Novo ICMS afetam o meu negócio?

A partir de janeiro de 2016, as empresas deverão dividir, entre os estados comprador e vendedor, a arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), cobrado sobre seus produtos e serviços. Trata-se da Emenda Constitucional nº 87 (EC 87/2015), aprovada em setembro de 2015.

O ICMS – que era em sua totalidade recolhido pelo estado onde fica a sede da loja – passa a ser compartilhado com o estado de residência do comprador ou de destino da mercadoria, que antes da mudança não tinha qualquer participação no imposto cobrado. Já as lojas que não vendem para outros estados não sofrem nenhuma alteração.

Conforme a EC 87/2015, que entra em vigor em 01/01/2016, nas operações que destinam bens e serviços ao consumidor final não contribuinte de ICMS localizado em outro estado, o imposto devido corresponde à diferença entre a alíquota interna do estado de destino e a alíquota interestadual, será partilhado entre os estados de origem e de destino, nas seguintes proporções:

 

Ano Estado de Origem Estado de Destino
2016 40% 60%
2017 60% 40%
2018 80% 20%
2019 100% 0%

 

Alguns sistemas de gestão, como o Tiny ERP, já estão adequados à nova legislação, realizando cálculos automáticos conforme o estado de destino e os rateios progressivos, de acordo com a tabela acima. E vale lembrar que o Tiny ERP pode ser integrado a sua loja virtual da Brasil na Web – o módulo é gratuito!

O que muda no cálculo

Para o cálculo do ICMS próprio, bem como os valores destacados na DANFE (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica), não haverá alteração com a entrada em vigor da EC 87/2015. Por outro lado, o cálculo da partilha do ICMS basicamente se dará da seguinte forma:

Tendo como exemplo um e-commerce no regime Simples Nacional, localizado no estado de São Paulo, com alíquota interestadual de 12% de ICMS, efetuando venda para o estado do Rio de Janeiro, que possui alíquota interna de 19%, no caso de uma venda de um produto nacional cujo total é R$1.000,00.

  • O valor do ICMS que pode ser utilizado como crédito pelo comprador para essa venda (que não sofreu alterações) é calculado normalmente. Para este exemplo, usaremos a alíquota de 1,25%. Desta forma, tem-se R$1.000,00 x 1,25% = R$12,50.
  • Para o ICMS da partilha entre as UFs, usa-se o diferencial entre as alíquotas interestadual e interna do estado de destino, ou seja, 19% – 12% = 7%. Sendo assim, R$1.000,00 x 7% = R$70,00.

Sobre o valor do ICMS da partilha, apurado no passo anterior, ainda deve-se efetuar o rateio entre os estados de origem e destino. Para o ano de 2016, R$28,00 (correspondente aos 40%) são da UF destino (este é o valor que deve ser gerado na GNRE para o recolhimento do imposto) e R$42,00 (correspondem aos 60%) são da UF de origem.

Simulando o cálculo para uma empresa no Regime Normal de tributação, com as mesmas alíquotas utilizadas no exemplo acima, estado de origem SP com alíquota interestadual para o RJ de 12%, alíquota interna no RJ de 19% e uma venda de um produto nacional cujo total é R$1.000,00, tem-se a seguinte situação:

  • O ICMS da operação é o resultado de R$1.000,00 x 12%, sendo o valor R$120,00 (este é valor correspondente ao ICMS próprio, que não sofreu nenhuma alteração).
  • Para a partilha do ICMS, neste caso, é o resultado da equação R$1.000,00 x 7% (19% – 12% = 7%) resultando em R$70,00. Deste valor, 40% são da UF de destino (R$28,00) e 60% (R$42,00) da UF de origem.

Como fica a Nota Fiscal Eletrônica

São necessários alguns novos campos no arquivo XML da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) , para comportar a nova forma de apresentação do ICMS, como:

  • ICMS para UF Destino: grupo de campos que recebem as informações do ICMS devido para o destino das mercadorias;
  • Totais de ICMS Destino: grupo de campos que totalizam os impostos devidos ao destino na nota fiscal;

A DANFE, em princípio, não sofrerá mudança no layout, mas as empresas devem informar no campo de Informações Adicionais, os valores recolhidos através das guias de recolhimento, ou seja, os valores descritos no campo específico da partilha do ICMS do XML.

Guia de recolhimento dos tributos

Com relação ao recolhimento do imposto, para empresas que não possuem Inscrição Estadual nos estados de destino, é usada a guia GNRE, e isto significa que o recolhimento é efetuado por operação, ou seja, para cada nota fiscal. A indicação é que a mercadoria circule com a guia de recolhimento com pagamento efetuado para os casos de recolhimento por operação.

Para as empresas que possuem Inscrição Estadual no estado destino, deve-se utilizar a guia do próprio estado, que permite que o recolhimento seja efetuado pela apuração mensal do ICMS.

 

Impacto

O mercado de e-commerce, principalmente, precisará rever seus custos, pois os produtos terão incidências diferentes de impostos, dependendo do destino da venda.

É importante salientar que a EC 87/2015 não aplica-se apenas para e-commerce, mas para todas as operações para fora do Estado de inscrição da empresa e que o consumidor final seja não contribuinte.

 

Como exibir os preços na minha loja virtual?

Teoricamente, os produtos terão valores de venda diferentes conforme as alíquotas dos Estados de destino, mas a EC 87/2015 é clara quando fala que estes custos são da empresa e não do cliente. Considerando esse ponto, é importante que na formação do preço de venda, no markup do produto, estas diferenciações estejam inclusas e a indicação é usar o custo médio dos produtos, podendo usar técnicas de curva ABC ou média ponderada.

 

A disputa pela queda do Novo ICMS

Entidades como Sebrae e OAB já estão preparando uma ação direta de inconstitucionalidade a ser proposta por todas as entidades coordenadas pelo ‪‎Sebrae‬, contra as novas regras para cobrança de #ICMS nas operações interestaduais. O Sr. Guilherme Afif, Presidente do SEBRAE Nacional, está articulando os esforços necessários para que esse movimento granhe força e derrube a nova regra que, de acordo com o Sebrae, já é responsável pelo fechamento de uma empresa por minuto no país.

“Não podemos aguardar uma próxima reunião do Confaz‬ para revogação dessa medida. Vamos entrar o mais rápido possível com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no STF para que seja cumprido o tratamento diferenciado às MPEs, previsto na Constituição.”

 

Continuaremos acompanhando e divulgando as novidades sobre a mobilização de combate as regras da partilha do ICMS interestadual que mudou as regras do ICMS no Brasil.

#mobilização #ICMS #e-commerce #MPEs

 

Cartão de crédito válido para teste de sistemas

Olá pessoal, esses são cartões de crédito válidos para testes. Com eles é possível simular a validação de funcionamento em seu ambiente de compras na loja virtual. Afinal é muito importante testar toda a loja virtual antes de lançar a mesma no ar.

Então ai vão alguns cartões de crédito válidos para teste com data de validade e CVV.

Criar Loja Virtual Open Source

Bandeira

Número do cartão

Validade

CVV

MasterCard 5555666677778884 12/2022 123
Visa 4012001037141112 12/2022 123
Americacan Express 376449047333005 12/2022 1234
Dinners Club 36490102462661 12/2022 123
Hiper 6370950000000005 12/2022 123
Hipercard 6062825624254001 12/2022 123
Elo 6362970000457013 12/2022 123

 

Talvez você também queira ver:
Gerador de CPF Gerador de CNPJ Gerador de Senha Segura Ver meu IP Contador de Caracteres

Mais alguns números de cartões de crédito válidos para teste.

AMEX: 376411112222331
MASTERCARD: 5555666677778884
DINERS: 30111122223331
VISA: 4073020000000002
HIPERCARD: 3841001111222233334
AURA: 5078601870000127985
AURA: 5078601800003247449

Atenção – Cartões de TESTE de sistemas – Não funcionam para compras reais!
Esses cartões de crédito são DE TESTE PARA SOFTWARES, logo NENHUMA TRANSAÇÃO será aprovada se tentar usar estes para efetivar uma compra. Leia atentamente o post antes de comentar sobre tentativas de compra com esses cartões indevidamente!

E lembre-se usar dados de outras pessoas ou falsos é crime, não estamos aqui estimulando qualquer prática desse tipo, os números são para validação e testes de softwares, leia o post e entenda o objetivo dessa informação.

 

 

Espero ter ajudado 😉

Até a próxima!

Black Friday 2015 deve movimentar R$ 1,31 bilhão, estima ABComm

A ser realizada no próximo dia 27 de novembro, a edição deste ano da Black Friday deve ter faturamento de R$ 1,31 bilhão. A estimativa é da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm). Esse valor representa um crescimento de 18% em relação ao montante movimentado na mesma data de 2014.

De acordo com a ABComm, essa cifra abrange as compras a serem realizadas entre os dias 23 e 30 de novembro. As categorias de produtos mais vendidas devem ser eletrônicos, informática, moda e eletrodomésticos. O comércio eletrônico já considera a Black Friday como a segunda data mais importante para o varejo, atrás do Natal e a frente do Dias das Mães, de acordo com pesquisa realizada pela entidade.

A Associação estima também que as vendas na Black Friday deste ano devem já antecipar as compras de Natal pelos consumidores. De acordo com a ABComm, a Black Friday em 2015 terá uma sobreposição de vendas estimada em 36%. “Isso significa dizer que 36% das vendas serão pessoas antecipando as compras de Natal”, avalia Maurício Salvador, presidente da ABComm.

A ABComm avalia ainda que as promoções devem começar de forma antecipada ao dia 27 de novembro. “A Black Friday no Brasil esse ano deve ser antecipada”, afirma Salvador. “Algumas lojas devem começar a oferecer descontos já no inicio de novembro”, complementa o presidente da entidade.

Aproveite e saiba como preparar a sua loja virtual para o Black Friday

Fonte: http://ecommercenews.com.br/noticias/balancos/black-friday-2015-deve-movimentar-r-131-bilhao-estima-abcomm

Processo de liberação de domínios outubro de 2015

Olá pessoal! A Registro.br começará no próximo dia 03 de outubro o processo de liberação de domínios que está repleto de ótimos nomes de domínios para agregar em sua estratégia de marketing digital.

São 326.808 domínios liberados para registro neste processo de liberação!

Veja a lista de domínios completa

Motivos para comprar um domínio destes para o seu negócio online:

1) Domínios com reputação: Muitos domínios possuiam sites e ainda podem ter links apondando para eles, e com isso alguma reputação e tráfego, que poderia ser direcionado para o seu site atual. Contudo, vale uma boa análise antes de comprar e pela ferramenta de Liberação de Domínios da Brasil na Web você tem 7 links relacionados a cada domínio para fazer essa análise facilmente.

Acesse a ferramenta de consulta e análise destes domínios aqui!

2) Você pode encontrar o nome da sua empresa em um formato mais curto e com isso reduzir o tamanhos dos emails e facilitar a divulgação verbal ou mesmo impressa do site da empresa. Contudo, em alguns casos é melhor manter o seu domínios atual e apenas apontar o novo domínio para o seu site.

3) Domínios com nomes genéricos e que você pode até vender no futuro para outras empresas. Não são muitos, mas é possível achar algumas raridades em meio a lista de mais de 300.000 domínios deste processo de liberação de outubro de 2015. Você pode investir R$ 30,00 para faturar algumas centenas de reais vendendo para outra empresa depois. Só não deixe de ficar atento as regras de Direitos sobre um Domínio.

4) Domínios com palavras-chave: Você também pode registrar domínios que possuam palavras-chave relacionadas ao seu negócio, afinal o Google da uma boa importância para sites que possuem a palavra-chave no domínio de certa forma. Logo, você pode usar essa estratégia para alavancar suas posições nos resultados de pesquisa. Contudo, avalie corretamente se vale a pena trocar o seu domínio atual pelo novo a ser registrado ou se talvez não seja melhor fazer um pequeno site e colocar neste novo domínio que também fale sobre você! De tudo, você apenas apontar o novo domínio para o seu site atual, mas isso não ajudará muito em termos de posicionamento no Google.

O que está esperando? O processo de liberação de domínios só vai até o dia 18 de outubro de 2015!

Veja a lista de domínios completa

Integração Tiny e OpenCart Ecommerce

Hoje vamos falar sobre a integração Tiny e OpenCart Ecomerce que é uma solução muito interessante para empresas que vendem online e precisam crescer com organização e sincronismo de informação. A isso se dá o nome de ecommerce integrado, ou seja, o cadastro de produtos, estoque e pedidos é automaticamente alinhado o tempo todo entre as duas plataformas para evitar problemas com vendas de produtos sem estoque e preços incorretos.

 

O que é o Tiny?

Tiny é um sistema de gestão empresarial ou ERP, que possui as principais funcionalidades para gerenciar uma empresa de comércio e/ou serviços. O sistema é online, ou seja, nas nuvens e é acessado pela internet de qualquer lugar que você precisar não requerendo instalação em nenhum computador. O Tiny trabalha com alto nível de segurança e criptografando todos os dados e acessos para garantir a integridade e sigilo das suas informações empresariais.

 

O que é OpenCart?

A OpenCart é um sistema de loja virtual robusto e Open Source. Ou seja, o código é aberto e com isso milhares de desenvolvedores criam novas funcionalidades diariamente para o sistema e colocam estes recursos a venda em formato de módulos para você incrementar a sua loja no que for necessário. O projeto oficial da OpenCart é europeu e por isso não possui todas as adaptações necessárias para o mercado brasileiro.

Contudo, desde 2013 a Brasil na Web abraçou o projeto e criou a OpenCart BNW que possui quase uma centena de melhorias e funcionalidades voltadas para o cenário de e-commerce brasileiro. E você pode solicitar a sua instalação e testar por 30 dias gratuitamente aqui.

 

Integração Tiny e OpenCart

A Brasil na Web, parceira da Tiny Software, conversou com a equipe Tiny sobre as funcionalidades dessa integração e explicamos abaixo mais detalhes para você que está interessado em ter um ecommerce robusto e integrado a um sistema de gestão profissional.

Cadastro de produtos: A Tiny é capaz de sincronizar todos os produtos cadastrados na loja virtual ou no sistema de gestão afim de manter ambas as plataformas sincronizadas o tempo todo, o que gera um grande ganho de tempo e evita problemas como venda de produtos sem estoque ou com preços errados.

Estoque de produtos: O estoque é igualmente atualizado entre ambos, não importa onde a venda seja feita, online ou diretamente no sistema da Tiny em um balcão de loja.

Variação de opções: É comum ter produtos que possuem variações como: Camisa do Brasil Amarela, Camisa do Brasil Azul, Camisa do Brasil Branca. No Tiny cada produto será independente e terá seu estoque separado (é o certo!) e assim será sincronizado com a loja virtual.

Múltiplos preços: A OpenCart permite que você defina preços com descontos com base no volume de compra de um terminado produto, porém a Tiny ainda não suporta essa funcionalidade. Porém o cliente que obter descontos e fizer o seu pedido na loja virtual terá todos os dados finais devidamente importados para o Tiny automaticamente.

Grupo de Clientes: A Tiny oferece a opção de SEGMENTO de clientes no qual é possível aplicar um desconto padrão para todos os clientes daquele grupo, para todos os produtos. A OpenCart chama isso de Grupo de Clientes, porém os descontos são independentes e aplicados produto a produto, conforme explicado no item acima de múltiplos preços.

Pedidos da loja virtual: A cada pedido na loja virtual a Tiny importa todas as informações e lança tanto o pedido no sistema quanto o cadastro do cliente, de acordo com as informações de produtos e preços passados pela loja virtual.

Cadastro de clientes: A Tiny ainda não sincroniza cadastro de clientes feitos no Tiny para a Loja Virtual, contudo o cadastro de cliente que vem junto com um pedido da loja virtual é importado para o Tiny normalmente.

Emissão de Nota Fiscal: Assim que um pedido é feito na loja virtual a Tiny importa para o sistema de gestão e permite que o administrador escolha quais pedidos processar e emitir a Nota Fiscal que é enviada automaticamente para o email do cliente.

 

Interessou pela solução de Integração Tiny e OpenCart?

Conheça os planos da Tiny e solicite a sua loja virtual OpenCart BNW agora mesmo com 30 dias para testar gratuitamente!

Conheça o Tiny